Stand still - Above the Earth , Beneath the sky

Partindo do princípio de que a memória é a construção-base da existência humana, “Stand Still, Above the Earth, Beneath the Sky” propõe- -se, num conjunto de obras especí ca e inusitadamente criadas para tal, a explorar limites entre o corpo e a sua situação no espaço: entre o corpo individual ou colectivo e social, o fenómeno e os lugares onde este se constrói.
Imbuída de um carácter textual, a exposição dialoga com o espectador na incubação de uma experiência singular: a da análise dos “limites do corpo – colectivo, de todos e de cada um – e a sua localização (...) nos lugares onde este se constrói”. Neste trabalho de Pedro Inock, a obra de arte é o confronto entre vídeo, still, instalação performativa e texto. É a narrativa da memória recente, passada, induzida e presente num espaço em aberto permeado pela rigidez do script.

A ausência do artista manifesta-se na presença dos performers-objectos; a autoridade do movimento dos seus corpos em tensão desa a as leis da quietude (stillness) e do silêncio condensados rigorosamente em cada frame. Suspensão e imobilidade, declaração do espaço, trans- posição, e o intervalo entre a mutação e a dependência, convivem num tempo que é inteligível e diacrónico, fruto de uma cadência natural perante a dor in igida pelas condições adversas.

A acção é replicada por meio do processo e presente a cada dado momento aos olhos do público. É na “possibilidade do facto” que se pro- move a multiplicação do lugar – a sublimação que transita na memória do espectador.

Madalena Dornellas

Stand Still, Live Performance during the solo exhibition at Galeria da Ordem dos médicos de Lisboa / room view